sexta-feira, 28 de abril de 2017

#52 Semanas de Gratidão com Elaine Gaspareto




#52 Semanas de Gratidão



XVII Semana

( continuação)

...Cada vez era mais dificil a separação da nossa querida Ventoínha e a gratidão que  cada vez era maior então pensámos em adotar a Ventoínha .
quando disse que a íamos trazer uma senhora disse que estavam  habituadas com a cadela que não tinha dono mas que todos gostavam dela. a partir daí paguei comida para ela e as vacinas a veterinária daria as que fossem necessárias.
Minha amiga Ventoínha lá estava sempre à nossa espera, não a adotei mas essa revolta daria  vir adotar um cão que vivera em cativeiro desde que nasceu e que foi adotado por uma família que o voltou a entregar no canil, sua história comoveu toda a familia, fomos visitá-lo e acabou por vir logo connosco.
A nossa Ventoínha era tão doce que fez amizade com o nosso Royce. Que gratidão por eles se darem tão bem.Ventoínha foi mãe e a D. Maria ficou com uma filha ,os outros, uns  foram dados .
Em 2016 a nossa querida Ventoínha não estava à nossa espera , estranhámos não ter aparecido, mas a noticia chegou quando ía à Vila da Chamusca que D. Maria me contou que feriram a Ventoínha de uma forma macábra não quis partir com ninguém  por perto, pela manhã D.Maria foi ver como a Cadelita estava e viu que falecera.
TENHO MUITAS SAUDADES daquele toque com a sua terna patinha  pela  manhã para abrir a porta e o portão.
Pela Páscoa estive no Arripiado e levei comigo o meu Royce, não é que ele me acordou com a patinha e duas lambidelas?
Ventoínha onde quer que estejas ficarás eternamente viva no meu coração e de todos os que te amavam.
Estou muito grata por me ter cruzado com esta cadelinha que poderia ter outra vida se eu a adotasse porque a Ventoínha não morreu de morte natural nem de ter sido brutalmente mordida por um cão, mas sim por mão malvada de um humano. Estou imensamente grata por a ter conhecido e ter conhecido o Royce.
O Largo do Oleiro perdeu a vida, nunca mais foi o mesmo.

5 comentários:

✿ chica disse...

Lindo e cheio de saudades teu post. Tua Ventoinha ficou bem marcada e agradeces os bons momentos com ela! beijos, lindo dia! chica

meusertaopoetico.blogspot.com.br disse...

História real e triste, pois acabou em morte e, além de tudo, marcada pela desumanidade de um ser sem sentimentos. Que Ventoinha esteja no céu dos animais e velando por você e pelos que a amaram. Beijos!

Gracita disse...

Uma história marcada pela dor, tristeza e grande saudade
A sua gratidão é tocante amiga Xunandinha
Um bom fim de semana
Beijos

Toninho disse...

Muita emoção amiga.
Criamos laços e quando se rompem cria esta saudade, um estar diferente.
Ainda existem pessoas que não respeitam os animais, mas há que se dedica todo amor a eles, a estes eu devoto meu respeito e carinho.

Um abração.
Bjs de paz.

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida amiga Xunandinha!
Estive de repouso forçado e já estou bem melhor, graças a Deus e o mesmo lhe desejo, amiga tão querida.
Vc tem um coração muito grande que adotaria todos os que necessitassem e não tivessem abrigo, se pudesse...
Tão bom seus post de coração tão sincero!
Bjm muito fraternal