domingo, 19 de setembro de 2010

História de uma Vida



2ºcapitulo

..Foram vezes sem conta as que perguntei, porque não podia ir visitar a minha mamã,e o qualquer dia da resposta que me davam, nunca veio.
No meio de tantas perguntas fui crescendo, como amigos tinha o Pedrito, um boneco que tinha sido o meu pai que comprou para enfeitar a cama e depois eu "herdei" e ainda hoje o guardo depois tinha a Maria Flauzina e o Zé Caracol,bonecos todos em plástico e que ainda "respiram",brinquedos isso era coisa que não tinha mas inventava brincadeiras com latas de sardinhas ,fazia balanças, as pedrinhas eram os pesos a terra era café´assim como ser açucar as folhas de plantas compridas eram peixes espada, enfim imaginação não faltava, era feliz nas brincadeiras, mas não gostava de ir à escola, pois apanhava muito da professora, os trabalhos iam sempre por fazer, porque a minha mãe achava que na escola é que se trabalhava em casa era para ajudar e dormir(e ela não podia ajudar ,não sabia ler).
Havia uma colega que por fim tentava ajudar antes das aulas iniciarem, então eu saia um pouco mais cedo do Parque das Necessidades ia ter com a colega Luxo e depois lá íamos para o externato que começava às 14h.
Com dez anos mudei de casa e fiquei triste pois ali, sempre tinha um quintal e podia brincar um pouco num prédio tudo isso iria acabar.
A partir daí comecei a não conseguir ter sucesso nos estudos pois com a mãe fora de casa todo o dia eu quando chegava das aulas tinha que fazer os trabalhos que a mãe tinha destinado, tinha que fazer tudo o mais perfeito porque senão apanhava tareia, desde me puxar pelos cabelos, até com facas me chegou a atirar.Não sei se seria do cansaço,mas eram escassos ou nenhuns os momentos de ternura entre nós e por vezes para eu chorar mais pois magoava-me bastante dizia que eu não era filha dela que tinha sido trocada na maternidade.
Não compreendia muito bem o porquê de tanta raiva contra mim, só porque não fazia bem as coisas ou porque esquecia outras, não compreendia muito bem porque é que havia mães de meninos a levá-los à escola ou a ir buscá-los e a mim os meus pais não tinham tempo,não compreendia o porque de a minha mãe ralhar comigo e dizer que eu era um estorvo quando estávamos na paragem do autocarro e o pica dizia :"só à um lugar" o único que me dispensava algum carinho e que me ensinou o caminho para a escola do ciclo preparatório foi o o meu pai e também não gostava nada que a minha mãe me batesse.
No Verão de 1980 os meus pais permitiram que frequenta-se uma colónia de férias pela igreja 15 dias em Peniche, eu nem queria acreditar, achei que a minha mãe devia estar doente ou com febre, ainda hoje recordo essas férias e outras ao Minho Que falarei noutro episódio
Com doze anos a mãe começou a trabalhar numa firma de noite e aos sábados continuava com algumas patroas eu estava mais crescidita, cada vez com mais encargos,tentava fazer tudo na perfeição, mas claro de vez em quando...tínhamos o caldo entornado.
Tantas noites chorei por estar só, tantas perguntas sem resposta(naquela altura, à pouco tempo a minha mãe disse que eu era muito má)não é a opinião dos que me conheceram nem era a do meu pai ,nem eu me lembro...
...Quando comecei a ser mais crescidinha jurei a mim própria que iria sempre tentar saber ouvir e compreender os meus filhos (se os tivesse)sem violência.

Aqui temos o Pedrinho, a Maria Flauzina e por fim o Zé caracol o mais pequenino.



Xunandinha (continua...)

Blogagem colectiva "O Melhor de Mim"




Falar sobre o melhor de mim, foi o desafio proposto pela Elaine do blog "UM POUCO DE MIM" que está festejando o seu 2º aniversário e nada melhor festejar com blogagem colectiva.
Não devo ser a única pessoa a achar que é difícil falar de nossas qualidades, mas vou tentar.
bom defeitos tenho muitos mas uma das coisas que gosto em mim é que mesmo mal disposta ,consigo brincar e rir, ADORO DAR BOAS GARGALHADAS, amo de paixão brincar como as crianças fazer macacadas,gosto de fantasias, numa brincadeira com crianças sou capaz de fazer o papel mais ridículo que possam imaginar.(por vezes à base de comprimidos).
Há, mas o que verdadeiramente me realiza é o dar sem receber.
Amo sem fim e sem eu própria saber a explicação para tanto prazer o trabalho voluntário,até porque um dos meus sonhos seria partir numa missão humanitária se não tivesse família formada, outro era adoptar uma criança com necessidades independente de cor ou raça, mas isso é só para pessoas da alta , eu sou simples tenho amor e uma vida normal mas não sou empresária.
A minha vida hoje em dia é pacata, faço voluntariado numa escola que é a menina dos meus olhos, foi lá que me receberam à 6 anos de braços abertos,quando a minha filhota entrou para a pré, agora ela saiu para o 2º ciclo, mas eu vou continuar.
Pouco mais à a dizer de bom só que sou muito romântica, adoro fazer surpresas,adoro também viajar pelo meu País o meu sonho de viagem de este ano não se realizou até agora e tenho 100% de hipotses de não se realizar , mas quem sabe talvez para o ano...até qualquer dia Açores

Parabéns mais uma vez à Elaine pelo 2º aniversário do seu blog UM POUCO DE MIM

Mensagem dada

                                                      A Vida e o Amor que criamos são a Vida e o Amor que vivemos  .